A escola de Platão

Estive no Museu D’Orsay em Paris, instalado em uma antiga estação de trem de 1900. O museu abriga obras de arte do perído de 1800 a 1900. Passei todo um dia andando entre esculturas e pinturas fabulosas mas uma me chamou atenção especial – A escola de Platão (L’Ecole de Platon de Jean Delville). Não por ser pedagoga, mas por ter identificado Platão como sendo Jesus Cristo… Engano desfeito a imagem deixou de ser escandalosa mas seguiu sendo curiosa. A pesquisa continuou em casa e foi então que encontrei isso aqui:

“O termo Amor platonicus foi pela primeira vez utilizado no século XV, pelo filósofo neoplatônico florentino Marsilio Ficino, como um sinônimo de amor socrático. Ambas as expressões significam um amor centrado na beleza do caráter e na inteligência de uma pessoa, em vez de em seus atributos físicos. Referem-se ao laço especial de afeto entre dois homens a que Platão tinha se referido num de seus diálogos, exemplificando-o com o afeto que havia entre Sócrates e seus discípulos homens, em particular entre Sócrates e Alcibíades
Ironicamente, tanto o epônimo desta forma de amor – Platão – quanto os já referidos Sócrates e Ficino – falavam do amor como uma espécie de amizade pedagógica, mas também tinham especial predilecção sexual por jovens do sexo masculino. Os três possuíam este afeto puro pelos discípulos, mas nutriam interesse erótico por rapazes. O conceito de amor platônico surge, assim, num contexto em que se debatia a pederastia (homossexualidade) mundana contra o amor filosófico puro (castidade), decorrentes da visão contida nos escritos de Platão (Simpósio, Fedro, etc.).
Levando-se em conta a definição atual do amor platônico, existe um paradoxo quando se leva em consideração a vida e os ensinamentos desses filósofos. Platão e os demais não ensinaram que a relação de um homem com um rapaz deveria possuir o interesse erótico, mas sim que o desejo pela beleza (em si mesma) do jovem deve ser o fundamento da amizade e amor entre ambos. Mas, reconhecendo que o desejo erótico do homem pelo jovem desvia as energias, é sábio resistir e opor-se o Eros (amor) de sua expressão sexual, canalizando-se as forças para as esferas intelectuais e emocionais.
Para solucionar esta confusão, estudiosos franceses julgaram melhor estabelecer uma distinção entre o “amour platonique” (acepção de amor não-sexual) e “amour platonicien” (o amor segundo Platão). Entretanto, quando a expressão “amor platônico” é utilizada modernamente, não se leva em consideração esta diversidade da visão do amor por Platão.
A interpretação de Amor platônico como manifestação do Eros masculino, mesmo que não consumado, está ligado à construção de uma identidade homossexual, e o modelo cultural da amizade platônica (pederastia) era usada por estudantes homossexuais desde o início da Renascença”. -copiado e colado do Wikipédia-

Agora sim, “A escola de Platao”:
(clique na imagem para ampliá-la)

Anúncios

~ por lulobo em maio 25, 2008.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: